fbpx

Inteligência emocional nos estudos: veja como desenvolver

Manter o aprendizado constante não é uma tarefa fácil. Para isso, é essencial reunir diferentes competências socioemocionais para manter a motivação, como a inteligência emocional, uma habilidade que faz toda a diferença na forma como você busca conhecimento.

A prática comportamental consegue auxiliar em distintas áreas da vida, como social, profissional e acadêmica. Com a capacidade de lidar de maneira eficiente com os sentimentos e emoções, o aprendizado é melhorado.

Para entender por que a competência é relevante para os estudos, acompanhe o conteúdo e saiba mais sobre a importância da inteligência emocional.

O que é inteligência emocional?

Antes de tudo, vale a pena compreender o que o conceito significa. Esse é um tipo de inteligência que permite o aprendizado de conteúdos emocionais sobre si e sobre os outros, a partir de diferentes contextos.

A inteligência emocional é um termo que se popularizou com o psicólogo Daniel Goleman a partir da década de 1990. Do ponto de vista do pesquisador, é uma habilidade mais importante que o QI, pois fala sobre como uma pessoa administra suas questões internas e observa o comportamento dos outros para aplicar aquilo que sabe.

No geral, a inteligência emocional se desenvolve em cinco pilares:

  • autoconsciência: capacidade de entender seus próprios padrões de comportamento;
  • autorregulação: habilidade de equilibrar as emoções, mesmo em situações desafiadoras, para não afetar o pensamento crítico;
  • motivação: qualidade de se inspirar para ir em busca dos principais objetivos;
  • empatia: capacidade de se colocar no lugar de outras pessoas, a fim de entender o que sentem;
  • habilidades sociais: aptidão para melhorar a forma que se relaciona com as outras pessoas.

Por que ela é tão importante?

É devido aos pilares que promovem a oportunidade de crescimento pessoal e amadurecimento emocional que a inteligência emocional é essencial.

É possível observar diversos benefícios na vida de um indivíduo, como:

  • saúde mental;
  • bom relacionamento interpessoal;
  • tomada de decisão eficiente;
  • busca pelo autodesenvolvimento.

Um estudo realizado pelo Departamento de Psicologia Organizacional e de Liderança de uma faculdade de Psicologia dos Estados Unidos, William James College, aponta a inteligência emocional como um dos fatores para a construção da imagem pessoal.

Dessa forma, é uma competência que reflete também em como um indivíduo é visto na sociedade. Portanto, é essencial para a pessoa desenvolver uma relação saudável com o que sente e com o que os outros indivíduos sentem.

Com isso, tem mais recursos para:

  • buscar a satisfação pessoal;
  • evitar ambientes e relações tóxicas;
  • compreender os próprios limites;
  • ter um maior equilíbrio físico e mental.

Quais os benefícios da inteligência emocional nos estudos?

Como a inteligência emocional se relaciona com os estudos? Conforme os cinco pilares do conceito, fortalecer a capacidade de lidar com as próprias emoções é benéfico para o crescimento pessoal.

Consequentemente, isso faz com que um indivíduo tenha a oportunidade de direcionar todos os aprendizados nos estudos.

Veja quais são os benefícios que a inteligência emocional nos estudos traz ao desenvolvimento intelectual.

Melhora a produtividade

Ter uma boa produtividade na rotina é complicado, principalmente para pessoas que precisam organizar trabalho e estudo. No entanto, com algumas estratégias, é possível ter um bom desempenho nas atividades acadêmicas.

Ao fazer um curso, a produtividade se torna imprescindível, pois permite se organizar para realizar as tarefas, não acumular matéria ou perder prazos. Ser uma pessoa que sabe administrar emoções auxilia no processo.

Gestão de tempo

A inteligência emocional é fundamental para administrar os recursos disponíveis, incluindo o tempo. A gestão de tempo é uma das maiores dificuldades das pessoas, especialmente aquelas com rotinas movimentadas.

Nos estudos, gerenciar o tempo gasto é desafiador, porém, é essencial para:

  • cumprir as atividades no prazo;
  • manter os estudos constantes;
  • fazer provas;
  • acompanhar demandas das disciplinas no dia a dia. 

Com a inteligência emocional, é possível fazer não só uma boa organização externa, como também interna. Assim, torna-se fácil regular as emoções para evitar a procrastinação e manter um bom ritmo de estudos.

Controle do nervosismo

A autorregulação consegue atenuar emoções intensas, como raiva e ansiedade. Em situações de alta pressão, como trabalhos, apresentações e vestibulares, controlar o nervosismo ajudará a ter um bom desempenho.

Dessa forma, o estresse atrapalha a recuperação de informações armazenadas na memória, interferindo na atenção e prejudicando a autoconfiança. Por isso, é essencial encontrar recursos que ajudem a controlar o nervosismo.

Aumento da autoconfiança

A autoconfiança é elemento fundamental para os estudos. Ela ajuda a manter a motivação e a buscar resultados expressivos, mesmo diante das dificuldades.

No entanto, conforme a rotina de estudos corre, a confiança pode sofrer abalos, causados por diversas razões, como:

  • comentários negativos vindos de colegas ou professores;
  • dificuldade para aprender um determinado conteúdo;
  • notas baixas na prova;
  • falta de apoio dos superiores.

A inteligência emocional ajuda a evitar que associações pessimistas ocupem um espaço que não deveriam. Dessa forma, estimula o pensamento positivo e a autoestima, garantindo maior controle sobre as emoções.

Como desenvolver e aplicar a inteligência emocional nos estudos?

Tendo em vista a importância da inteligência emocional nos estudos, conhecer práticas que estimulam o desempenho ajuda a desenvolvê-la no dia a dia.

É como ganhar massa muscular: envolve exercícios frequentes, tanto para alcançar os objetivos quanto para mantê-los.

Conheça a seguir alguns hábitos para trabalhar a inteligência emocional nos estudos.

Use palavras de afirmação

Para começar, é essencial estimular a autoconfiança. Para isso, entender quais são as suas maiores dificuldades pode ajudar muito.

No entanto, em vez de se sentir mal por ter desafios, assumir que eles existem e mudar o comportamento com palavras de afirmação trazem motivação para superar as dificuldades.

Por mais que pareça uma atitude desnecessária, ao tomar isso como um hábito, é possível desconstruir padrões de autodepreciação e aprender a reconhecer suas habilidades.

Portanto, é possível desenvolver a autoconfiança nos estudos e na sua capacidade de aprender cada vez mais.

Busque o autoconhecimento

O autoconhecimento auxilia no reconhecimento das suas melhores habilidades e maiores dificuldades. Com isso, dedicar mais horas de estudos para superar os desafios e aprender os temas complexos deve ser prioridade.

Nos estudos, a prática é essencial para:

O autoconhecimento é uma ferramenta fundamental para a análise pessoal. Com ele, você aprende como se comporta diante de diferentes situações, principalmente aquelas que sente que perde o controle emocional, como durante um teste intelectual. 

Consequentemente, pode desenvolver estratégias para equilibrar comportamentos negativos e ter uma maior autorregulação.

Tente entender as outras pessoas

Lembre-se de que a empatia é um dos pilares da inteligência emocional. Dessa forma, praticá-la nos estudos é uma boa ideia.

Perceber que um colega tem dificuldade em um tema que você domina e se propor a ajudá-lo, por exemplo, é um ponto relevante para o desenvolvimento pessoal e intelectual.

Além disso, parar de se comparar com os amigos auxilia no desenvolvimento da inteligência emocional. Assim, você aprende a respeitar seus limites e seguir no seu ritmo.

Exercite a comunicação

Desenvolver a inteligência emocional nos estudos envolve também melhorar a comunicação. Por exemplo, ficou com dúvida em uma aula? Não tenha medo de conversar com os professores, colegas e monitores até esclarecê-la.

Saber como se comunicar com outras pessoas envolve controle das emoções e ajuda a ter um bom relacionamento interpessoal. Durante o curso superior, esse comportamento ajuda no networking.

Portanto, a inteligência emocional é uma habilidade comportamental que abre portas para diversas oportunidades na vida. Por isso, vale a pena desenvolvê-la ao máximo.

Gostou das dicas? Não se esqueça de compartilhar o artigo nas redes sociais para que seus amigos também conheçam as melhores práticas para se desenvolver.

Compartilhe com seus amigos
Pular para o conteúdo