fbpx

História do Cristianismo Medieval

“Foi um tempo de escuridão, mas não uma noite sem estrelas…” (Hermisten da Costa)

A Idade Medieval, também chamada de “Idade Média” ou “Era das Trevas”, abrange dos séculos VI a XV da era cristã, foi caracteristicamente um período bastante conturbado para a Igreja Ocidental. Em face do decreto de Constantino (272 a 337 d.C.), imperador romano convertido, tornando o cristianismo a religião oficial do Império Romano, a adesão à fé cristã não se deu mais por conversão espiritual, mas simplesmente por uma conformação ao status quo prevalecente, ou seja, ser cristão deixou de ser uma experiência de conversão pessoal ao senhorio de Cristo e passou a ser, para a maioria das pessoas, apenas uma formalidade ou, até mesmo, uma conveniência social e política. Dois séculos passaram-se e as consequências disso já dificultavam bastante o exercício da verdadeira fé cristã. Nichols (2004, p. 83), comenta assim os problemas e importância da compreensão do contexto que envolveu o início desse período:

(Mosteiro de São Jorge, Jericó. Revista da Terra Santa, Brasil. Extraído em 09/06/21)

Devemos ter sempre em mente que a igreja durante esse período que estamos considerando tinha, no seu interior, muitas pessoas não convertidas a Cristo; eram “cristãos-pagãos”. Vejamos, resumidamente, as causas dessa situação alarmante. Uma delas era a atitude dos imperadores romanos que tinha tornado o Cristianismo a religião da moda, cujo patrono era o governo imperial e à qual aderiram grandes multidões. Outra causa era o decreto do imperador Teodósio, que obrigava seus súditos a professarem o Cristianismo de forma ortodoxa. Desse modo surgiu a política imperial do uso do poder para reprimir a idolatria e forçar o povo a filiar-se à Igreja. Mais uma vez os métodos missionários medievais resultaram na entrada para a Igreja de multidões de germanos e outros povos que nunca tinham experimentado a conversão cristã. O mal só se agravou quando 2 governos e conquistadores obrigaram seus povos a “aceitar” o Cristianismo. Prevalecia, assim, na Igreja, grande massa de pagãos, imbuídos das ideias pagãs a respeito da religião e da moral, pessoas que de cristãs só tinham o nome.

É por causa disso que o período que agora estudamos também foi chamado de “Era de Chumbo”, um período pesado e escuro, decorrendo assim muitos estudiosos preferirem chamá-lo, não sem causa, de “Era das Trevas”. Além, e tão importante quanto a situação espiritual, é fundamental termos a compreensão do contexto social desse período chamado de “Medieval”. De fato, o adjetivo “trevas” usado por muitos estudiosos que tratam destes séculos se justifica, pelo menos em alguma medida. Não é possível entender a Igreja e suas características em um período histórico ignorando seu contexto mais amplo. Pensar a Igreja sem pensar a história, é falar de um corpo sem alma; ler e estudar a história da Igreja sem estudar a sociedade à sua volta, é ler um romance.

É por causa disso que o período que agora estudamos também foi chamado de “Era de Chumbo”, um período pesado e escuro, decorrendo assim muitos estudiosos preferirem chamá-lo, não sem causa, de “Era das Trevas”. Além, e tão importante quanto a situação espiritual, é fundamental termos a compreensão do contexto social desse período chamado de “Medieval”. De fato, o adjetivo “trevas” usado por muitos estudiosos que tratam destes séculos se justifica, pelo menos em alguma medida. Não é possível entender a Igreja e suas características em um período histórico ignorando seu contexto mais amplo. Pensar a Igreja sem pensar a história, é falar de um corpo sem alma; ler e estudar a história da Igreja sem estudar a sociedade à sua volta, é ler um romance.

A estabilidade, estrutura e poder do Império Romano se diluíra quase que totalmente, favorecendo que povos vizinhos se sentissem atraídos para invadir as regiões da Itália e França. Durante quase quatro séculos, até Carlos Magno (742-814 d.C.), que estudaremos a seguir, muitas guerras, confusão, invasões e todo o tipo de barbarismo aconteciam por quase toda a Europa Ocidental. Tribos germânicas, escandinavas e normandas assaltavam desde o sul da Alemanha e toda a costa do Mediterrâneo. Do Oriente, inspirados pela nova religião, o Islamismo, adotando a guerra como “método de evangelização”, e com a sede de conquistas territoriais dos povos árabes, guerreiros tradicionais, a morte, fome, doenças, medo e imigração forçada são as marcas da sociedade europeia para qual a Igreja cristã precisava dar respostas e consolo. Curiosamente, o desafio imposto pelo Islamismo, trouxe uma oportunidade para a Igreja da Europa Ocidental se fortalecer e ocupar grande importância de destaque e liderança também na vida social, política e econômica.

Por tratar-se de um período que abrange mais de dez séculos de história, com muitos nomes, eventos e movimentos importantes. No curso de Bacharel em Teologia você pode rá se aprofundar em todo o conteúdo, podendo conhecer os seguintes tópicos:

  • A Baixa Idade Média
    Principais Movimentos
    Principais Personagens

  • A Alta Idade Média
    Tomás de Aquino
    Guilherme de Ockam
    Movimentos Reformistas
  • A degradação da Igreja e os Pré-Reformadores
    John Wyclif
    John Huss
    Eventos Importantes

  • As Cruzadas
    O “Exílio Babilônico

Artigos Relacionados

Epistolas gerais e seu lugar na literatura bíblica

Uns dos marcos da fé cristã, é a Bíblia Sagrada. O livro que está presente na maneira de pensar e agir dos cristãos. Ao analisar a Bíblia vamos encontrar em sua coleção vários gêneros literários, não somente um escrito, porém uma coleção de escritos.  Continue lendo…

Vantagens de estudar a distância

Estudar sempre será um caminho maravilhoso de descobertas e aprendizagens. Aventurar-se na senda do saber, produz Homens capazes, aptos para enfrentarem o mundo, com suas demandas e necessidades. Continue lendo…

Como lidar com a ansiedade?

A ansiedade é vista como um dos grandes males do século XXI. Ela pode trazer sofrimento e dor emocional, que repercutirá em várias áreas da vida, incluindo, a educação. Continue lendo…

Skip to content